Make your own free website on Tripod.com

IMIGRANTES PIONEIROS EM MINAS GERAIS

ITALIANOS EM POÇOS DE CALDAS - OURO FINO - POUSO ALEGRE

IMIGRANTES EM MINAS GERAIS
BELO HORIZONTE - GOVERNADOR VALADARES
JUIZ DE FORA
S. J. DEL REY - UBÁ - MONTE SIÃO
P. CALDAS - O. FINO - P. ALEGRE
S.J.NEPOMUCENO - VIÇOSA - VARGINHA
M. DE ESPANHA - CARANGOLA - ANDRADAS - LEOPOLDINA - CATAGUASES
GUIA NACIONALIDADES EUROPEIAS
PESQUISAS E BUSCAS DE CERTIDOES NA ITALIA, NA ESPANHA E EM PORTUGAL

IMIGRANTES PIONEIROS EM POÇOS DE CALDAS

Data de 1884 a chegada dos primeiros italianos para a cidade de Poços de Caldas. Segundo os dados publicados pelo empresário italiano Mário Seguso em seu livro recentemente publicado "Os admiráveis italianos de poços de caldas - 1884-1915, os seguintes italianos fixaram morada na cidade:

1884 - Franceso Vigna - Andréa Filardo

1885 - Giuseppe Siciliani - Giuseppe Allara - Ângelo Bonvicino - Basílio Partini - Benedetto Pellici

1886 - Michele Paladini - Giovanni Battista Pansini

1887 - Pietro Dal Pogetto

1888 - Luzia Prezia

1889 - Nicola Longo - Saverio Peppe - Raffaele Danza - Vincenzo Basílio - Pietro Dinucci - Alessandro Maré - Carlo Monge - Domenico Rebeque

1890 - Sebastiano Pizzol - Teodoro Delfino

1891 - Giuseppe Carlo Garibaldi 0 Vincenzo Petrecca - Nicola Amalfi - Giuseppe Solferini - Fortunato Gorassi - Alfonso Parini - Riccardo Pironato - Camilo Zaghetto

1892 - Francesco Mencarini - Enrico Goffi - Pietro Bianucci - Emanuelle Luigi Zuanella - Agostino Cerchiai - Corrado Giuntoli - Giuseppe Agostini - Alessio Ferraris - Benvenuto Patteroni - Mansueto Puglia - Luigi Dupanda - Felice Galeazzi - Umberto Mircolongo - Torello Taviani - Nicolò Stella - Ângelo Orlandi - Baldassare Franco - Pietro Perillo - Felice Ralangi - Federico Bianchetti

1893 - Tommaso Merlo - Felice Ghilardi - Nazzareno Donzelli - Francesco Zanelli - Rocco Guazzelli - Attilio Cinquini - Luigi Bacco - Lorenzo darioli - Primo Ferro - Giovanni Ponteprimo - Alessandro Ruza - Solone Scala - Giuseppe Arcangeli - Arturo Bianchi - Teodoro Rosi - Attilio Capitanini - Vincenzo Panari - Luigi Balbia - Andréa Fortunato - Pietro Giorgetti - Luigi Ballerini - Carlo Girolami - Vincenzo Judice - Regulo Puccetti - Achille Giacometti - Antonio Nespati - Giacinto Bernardo - Pietro Tallone - Carlo Montanelli - Ângelo Driussi - Aladino Orlandi - Francesco Martinelli - Carlo Vescio - Silvio Della Santina - Giovanni Salvucci

1894 - Vitaliano Marino - Francesco Alvisi - Bernardo Orsi - Brezzo Casali - Antonio Chiado - Oreste Bonelli - Onésimo Torquati - Enrico Berlinari - Giovanni Salomone - Amedeo Pierino

1895 - Luigi Cecchini - Amilcare Gianelli - Giacomo Beliato - Ernesto Amadio - Giuseppe Manone - Carlo Errico - Jacopo Alessandri - Ângelo Nanni - Lorenzo Scattolin - Nicola Gatti - Vincenzo Mandarini - Pietro Monguzzi - Antonio Pandolfo - Agostino Piovesan - Gesualdo Rugani - Antonio La Motta - Nicola zangrando - Giacomo Cúria - Luigi Veronesi - Alfonso Scassiotti - Alessio Borinato - Alessandro Ranga - Napoleone Villa

1896 - Raffaele Furchi - Luigi Felizia - Giovanni Braz - Achille Righetto - Antonioo Pardini - federico Santolia - Alfonso Mazzotti - Agostino Buda - Domenico Rocco - Crispino Caponi - Ângelo Gianni - Oreste Lupetti

1897 - Massimo Boggio - Pasquale Vergani - Giovanni Barbon - Rodolfo Togni - Evangelista Pellegrinelli - Giuseppe Guerra - Antonio Benozzati - Pietro Del Sarto - Francesco Grazia - Narciso Bonini - Alessandro Arruga - Carlo Cagnani - Giovanni Durante - Contardo Eamnuelle - Ercole Maran - Giorgio Pavesi - Antonio Pigon - Emilio Possenti - Gentile Sparapan - Vincenzo Tivoli - Antonio Balestri - Biagio Varallo

1898 - Antonio Nigra - Vittorio Paschero - Nicola Straface - Valentino Chinate - Leonardo Aiello - Arturo Cavazzoni - Paolo Berarda - Gerolamo Boratto - Domizio Cavini - Natale Frusato - Carlo Rotunno - Giovanni Tedesco - Gustavo Marcaccini - Stefano Mazza - Eugenio Miglioranzi - Artidoro Modesti - Ferdinando Naldoni - Ângelo Pizzini - Eduardo Zotti

1899 - Dante Garavello - Eugenio Pagin - Giuseppe Lauria - Isodoro Cobatto - Pietro Brunelli - Arturo Sala - Andréa Grazia - Telêmaco Arrigucci - Attila Artioli - Giacomo satti - Francesco Fantozzi - Luigi Puig Visconti - Cesare Pistagi - Roberto Guelfi - Antonio Dianda - Emanuele Troyano - Giovanni Gonzo - Vittorio de Parolis - Salvatore Zincone - Bruno Luciano - Giuseppe Bressane - Luigi Zapparoli - Geronimo Todescato - Pasquale Donadio - Ângelo Cappelli - Vincenzo Viti - Gioacchino Vizzotto - Domenico Rizzo - Canz Conci - Francesco De Liberatore - Giaccobbe Del Vecchio - Delmo Poppi - Giuseppe Saettone - Enrico Sangiorgi - Raffaele Sarti

1900 - Giorgio Giglioli - Gaetano Marcante - Roberto Rebosti - Pietro Valentin - Nicola Aversa - Ernani Ambrogi - Ângelo Parison - Antonio Buscia - Pasquale Gesualdi - Nicola Sozzi - Emilio Zanovello - Gaetano Digro - Mariano Cestaro - Annibale Manfredini - Giovanni De Stefani - Vincenzo Discorio Braz Massari - Luigi Rotondari - Luigi Orlandi

1901 - Francesco Cerpoloni - Gio Batta Finelli - Eufemio Nastrini - Giacomo Pasculli - Francesco Tamburi - Felice Scolari - Francesco Zannoni - ferruccio Fazzi - Antonio Suppo - Luigi Ghetti - Domenico Fagnani - germano Nastri - Edoardo Pastori - Santo Bertozzi - Filippo Casadei - Carlo Cascella - Enrico Osti - Francesco Mannini = Mario Dossi Pallini

1902 - Carlo Giuseppe Occhiena - Umberto Sculamiglio - Ricardo Annoni - Luigi tacconi - Luigi Gianmarini -Raffaele de Lucca - Francesco Olio - Raffaelle D"Ângelo - Candido Rifoldi - Giuseppe Belloggi - Federico Venturini - Pietro Gianotti - Antonio Maretti - Pilade Mengali - Bruno Tucci

1903 - Pietro Batta - Raffaele Pastore - Domenico Montevecchio - Giuseppe Broccardo - Silvio Salvatore - Enrico Melzo - Giuseppe Dalmo - Alvise Visentini

1904 - Luigi Rosina - Padre Luigi Cappello - Rosário Virga - Vito Pomarico - Costantino Giorgi - AugustoLovato - Pietro Mantovani - Carlo Monte - Pietro Pierantonio - Giovanni Battista Pinola

1905 - Vincenzo Cardillo - Salvatore Finotti - Pietro Gaglia - Natale Beccaro - Romano Avanzi - Nunzio Galise - Antonio Mattavelli - Francesco Lio - Giovanni Poggetto - Giulio Tassi - Saverio De Simone - Ernesto Trotta - Gaetano Nicodemo - Luigi Peterle - Pietro Ratta - Giovanni Cardinali - Carlo Milara - Giuseppe Castellani - Ottavio Vernacci - Enrico Rizzieri - Vincenzo Centola - Pietro Rosa - Pancrazio Corradi - Antonio Diotisalvi - Giuseppe Despiaggio - Giovanni Battista Gerini - Michele Risola

1906 - Luigi Santi - Pietro Ranauro - Lucca Frediano - Raffaele Gugliotti - Innocente Papiani - Giuseppe Blaschi - Carlo Mazza - Francesco Piccinini - Paolo Contiero - Alfonso Tramonte - Tommaso Venafro - Pietro Pascoli - Michele Antonelli - Cherubino Borelli - Nicola Camillo - Alfonso D"Ambrosio - Francesco Fresati - Luigi Gasparini - Giovanni Lorenzini - Marcio Metidieri - Lorenzo Pistoresi - Giuseppe Trezza

1907 - Emanuele Ferrari - Ângelo Gilberto - Settimo Spini - Agostino Zono - Battista Bresaulo - Giuseppe Pallini - Andesio Bernia - Francesco Matanò -

1908 - Giovanni Ferron - Clemente Cheberle - Nicola Fazzini - Geronimo Caniato - Vittorio Frison - Stefano Brunacci

1909 - Michele Russi - Mario Comissi - Giuseppe Capanna - Inazio Curcio - Antonio Beltrame - Giovanni Arnise - Pasquale Cunico - Carlo Mussolini - Adolfo Pieve - Adolfo Prospero - Domenico Sarubbi

1910 - Mario Caruso - Domenico Pandolfo - Carmelo Scabbia - Guglielmo Martini - Luigi Nucci - Ângelo Ganbini - Alessandro Gaspari - Remo Lunardi - Pietro Dalla Rosa - Angelko Maretti - Bernardo Sgilli - Nilo Rochetto

1911 - Gennaro Ferrara - Domenico Clemente - Antonio Loro - Giuseppe Guglielmucci - Pasquale Pallagano - Beino Audizio - Alberto Marini - Cesare Andracoli - Luigi Zamoieriu - Antonio Nuzza - Luigi Pavan

1912 - Giuseppe Ippolito - Vincenzo Moillo - Giovanni Mancini - Sabatino Sanprini - Giovanni Carletti - Alfonso Falchetta - Luigi Infante - Giulio Beni - Francesco Miniscalco

1913 - Felice Di Lorenzo - Saverio Perri - Antonio De Stefano - Innocente Raspante - Teodoro Cerri - Vincenzo Tepeldino - Marco Bidoni - Pietro D'Este - Giovanni Biliano - Nicola Cosentino - Emilio Sabaini - Giulio Michelotti - Francesco Ceci - Fiorindo Cinelli - Pasquale Corona - Raffaele Forni - Nello Giusti - Francesco Sergio - Nello Viti

1914 - Giuseppe Merola - Giacinto Denubilo - Giovanni Salvatore - Alessandro Pasquini - Antonio Mannini - Antonio Calderaro - Lorenzo Acciari - Gildo Gibin - Innocenzo Brunetti - Umberto Zanni - Guglielmo Barbieri - Enrico Bellini - Fioravante Moro - Ângelo Pieracci -

1915 - Francesco Riccioni - Alfonso Bártoli - Benedetto Tasinari - Ivo Sandri - Severino Fabbri - Pietro Zilli - Giuseppe Ghirlanda - Giulio Ciancaglino - Vincenzo Grandinetti - Guido Neofiti - Giusto Marcelli - Innocenzo Benetti - Roberto Andréa - Giovanni Braghetta - Giovanni Franzini - Antonio Latronico - Emilio Severini


Obs.: No site www.italonet.com.br/mg/seguso.html você poderá encontrar melhores informações a respeito do trabalho elaborado pelo industrial italiano da área de vidraria MÁRIO SEGURO, radicado em Poços de Caldas

IMIGRANTES ITALIANOS, PIONEIROS EM OURO FINO

Ouro Fino constitui uma das mais antigas sociedades italianas do sul de Minas Gerais , com o nome de "Societá Italiana Príncipe de Pientamonte", com cerca de 312 famílias registradas. Ao pesquisar publicações italianas da região e ao consultar pessoas mais idosas, pode-se constatar que a maioria dos imigrantes tinham como destino as fazendas de café, outros, os que trouxeram algum dinheiro, montaram estabelecimentos comerciais de prestação de serviços como relojoeiros, ourives, pedreiros, funileiros, sapateiros, alfaiates. Distante da pátria e para não perder o vínculo da italianitá, os que aqui chegaram, reuniam-se, falando alto e gesticulando como se estivessem "prontos para briga", recordavam a bella Italia, sempre com um buono vino e formaggio (vinho e queijo), som de sanfona e jogos de bocha.
Houve ocasiões, porém, em que esses italianos voltaram à terra natal: a eclosão, em 1914, da 1ª Guerra Mundial, que arrastaria o mundo para o conflito armado, durante cinco longos anos, e arrastaria também "ouro-finenses" para o fronte de batalha.
As famílias de origem italiana constituem boa parte da população ouro-finense, o que levou à criação do Circulo Ítalo-brasiliano, com o objetivo de preservar a cultura e os costumes de seus antepassados. Regularmente se reúnem e lembram os encontros dos genuínos italianos.

IMIGRANTES PIONEIROS EM POUSO ALEGRE

Um dos fatores progressistas que influíram no desenvolvimento de nossa cidade, a partir do final do século passado, foi a imigração de elementos europeus e do Oriente Médio, que trouxeram a sua experiência nas atividades agrícolas, artesanais e comerciais, contribuindo, assim, para o progresso e prosperidade de Pouso Alegre.
Com a instalação da Colônia Francisco Sales, na Faisqueira, lá se localizaram muitos, italianos, portugueses e espanhóis, que se dedicavam à agricultura, embora Pouso Alegre não fosse um município cafeeiro, cultura que atraia o maior número de imigrantes para as cidades interioranas. Os que aqui chegaram, desenvolviam mais atividades artesanais.
A corrente imigratória italiana foi a mais numerosa. A partir de 1880 começaram a chegar os primeiros imigrantes: João e Pedro Scapulatempo (comerciante e caldeireiro); Antônio Rigotti (fábrica de cerveja e depois marcenaria); Pedro Chiarini (agricultor, e comerciante); Girolamo Pagliarini (hotel e barbearia); Angelo Guersoni (olaria e cerâmica); Nicola Laraia (sapataria); Francisco Campanella (relojoaria e posteriormente casa de bicicletas); Francisco Matragrano (fábrica de calçados): Rizziere Butti (fábrica de bebidas e cerveja); lzidoro Tiburcio (fábrica de móveis), Artur Carletti, Antônio Ferrari (casa de móveis); Regio Arnaldo Carnevelli (introdutor do primeiro cinema no Sul de Minas e fundador da Sociedade Italiana de Mútuo Socorro); Braz Vitalii (alfaiaitaria); Víctor Laraia (curtume), Pio Gissoni (construtor), José Boschi (olaria); João Bertolacini (casa de comércio); Salvador Natal (comércio); Miguel Saponara (relojoaria); Caetano Russo (confeitaria); Angelo Leoni (sapataria); Higino Puccini (fotógrafo) e muitos outros.Era intensa a vida associativa da colônia, que tinha uma sede própria, a Sociedade Italiana de Mútuo Socorro, na Rua Afonso Pena, onde se reuniam para discutir política e os problemas da pátria distante, para se divertir e tornar mais amena e alegre suas vidas em nossa cidade. Reuniam-se também nas cervejarias para jogar bocha, o que dava margem à aproximação e alegria, onde se entoavam canções da terra distante, tais como: Santa Lucia Luntana, Torna a Sorriento, Sole Mio, Bandera Rossa e outras.
Em menor número, portugueses, espanhóis, sírios, libaneses, alemães, austríacos e israelitas trouxeram, também, a sua contribuição para o desenvolvimento e prosperidade de Pouso Alegre, exercendo aqui funções no comércio e indústria, colaborando, assim, para o seu progresso. Entre os imigrantes portugueses destacamos: Antônio Pereira Gomes (comerciante), José Correia de Campos (fábrica de banha), Antônio Carvalho e José Carvalho (comerciantes), Francisco Correia Carvalho (viajante), César da Silva Martins (cerâmica), João Lopes (fazendeiro), Augusto Lopes (loja "A Majestosa"), José Ferreira de Almeida (Hotel Ferreira), Francisco Alves (Hotel Alves), Joaquim Correia, o "Correinha" (comerciante de frutas), Antônio Alves Azevedo (comerciante), Manoel Gomes (fazendeiro), João Alves Machado (poteiro) e o popular seu Antônio "Português" (porteiro do Ginásio São José).
Espanhóis - José Fernandez e Francisco Fernandez (comerciantes), Miguei Diaz (comerciante no mercado), José Camacho (agricultor), Gabriel Mayor (fábrica de colchões), Manoel Cejas Carrascoza (professor), José e Rodrigo Marquez, Miralha, Bento Lascaleia, Bernardino Sales (fábrica de sabão).
Sírios e libaneses - Os irmãos Antônio, João e José Andare (comerciantes), José e Pedro Narciso Brasil (comercio de material de construção), José e João Elias (loja de comércio), José Mossri (sorveteria), Isac Abbib (loja "Cedro do Llbâno"), Aldo Kafil Homse (fábrica de bonecas), Saber (viajante), Andere (transporte), Sarkis (comércio), Bechara (comércio).
Alemães - Alfredo e Nhonho Schmidt (selaria), Frederico Schultz (Padaria Alemã), Walter Felsch (tecn. rádio), Guiherme Eiigeimann (confeitaria).
Austríacos - José e Otto Piffer (construtores).
Israelitas - Maurício Gandelmann (casa de móveis); Maurício Ruchinski (comerciante), Meyer (comerciante).
E inegável o fator progressista que essas correntes imigratórias trouxeram para Pouso Alegre, terra que adotaram como sua segunda pátria.

A Colônia Francisco Sales

No início do século foram criados vários núcleos agrícolas no estado, visando estimular a agricultura. No Sul de Minas foram fundadas, em diferentes épocas, as colônias agrícolas: Francisco Sales em Pouso Alegre, a Colônia Senador José Bento no distrito de Congonhal e a de Inconfidentes em Ouro Fino. Em Pouso Alegre glebas de terra foram divididas em lotes de 5 alqueires e vendidas a imigrantes europeus ao preço de 1:200 000 (hum conto e duzentos) em seis prestações.
Na Colônia Francisco Sales, que se localizava no bairro da Faisqueira, e se estendia até o bairro do Cristal, fixaram-se várias famílias de origem italiana, portuguesa e espanhola. Essas famílias deram origem a uma larga descendência, que mais tarde se fixou na cidade, como os Chiarini, Scodeler, Leone, Carietti, Cínquetti, Marquez Fernandez, dentre outras.
Foi em 1905 o início da instalação da Colônia Francisco Sales na Faisqueira, um plano ambicioso que previa até a construção de uma linha de bondes, ligando a colônia à cidade. A área da colônia absorveu as fazendas de Ramos Brandão, que se localizava onde funciona hoje a cerâmica Scodeler e imediações e a de Antônio Libânio Teixeira, onde está a atual igreja de N.S. Aparecida, e se estendia até ao bairro do Cristal.
A topografia montanhosa, em certas áreas da colônia, dificultava o transporte da cana-de-açúcar que era plantada na serra. Por isso, o transporte era feito por meio de cabo de aço, que ia do alto da serra até o engenho, movido pela energia gerada pela água represada de um açude feito pelos colonos. Os feixes de cana, amarrados, desciam pelo cabo preso em carretilhas e passavam pela moenda, indo depois para o alambique para a fabricação de aguardente.
Havia também extensas várzeas, onde se pretendia fazer a cultura do arroz. Para esse fim importou-se da Itália uma máquina de beneficiar arroz, movida a vapor, tão grande e pesada que foi preciso construir-se uma carreta especial para transportá-la da estação para a colônia, sendo esta instalada num prédio construido especialmente para aquele fim.
Havia na colônia vários açudes construídos pelos colonos, que evidenciavam a tendência de captar-se e armazenar o precioso líquido para usá-lo como força hidráulica.
Em 7 de fevereiro de 1905, durante o episcopado de dom João Baptista Nery, o Estado confiou a direção do núcleo colonial Francisco Sales ao Bispado, para o fim de ser estabelecido uma escola agrícola na sua sede.
As colônias de Senador José Bento e Inconfidentes prosperaram e se tornaram mais tarde cidades.
A Colônia Francisco Sales, infelizmente, não teve o resultado esperado. Os colonos acabaram por se fixar na cidade, e a escola agrícola não teve a continuidade esperada, encerrando as suas atividades em outubro de 1906.

Foch Kersul: 100 anos de pioneirismo em Pouso Alegre

Os primeiros membros da família Kersul imigraram para o Brasil há aproximadamente cem anos, na época em que se instalava no país os dormentes de estradas de ferro. Trouxeram técnicas na área de construção e, por serem especialistas no assunto, contribuíram para a estruturação das ferrovias brasileiras.
José Kersul veio da Áustria para o Brasil e fixou-se em Pouso Alegre, onde constituiu família. Seu filho José Kersul Júnior casou-se com Maria Narciso Brasil, filha do capitão Pedro Narciso. Dessa união nasceram cinco filhos: José Kersul Narciso, Aparecida Kersul, Gerado Kersul, Expedito Kersul e Alice Kersul.
Quando nasceu José Narciso, em 1918, época da Primeira Guerra Mundial, seu avô Pedro José Narciso queria homenagear um dos heróis da Guerra, colocando em seu neto o sobrenome Foch. Como o menino já havia sido registrado, Pedro Narciso, na pia batismal, colocou o nome do neto como José Kersul Foch, o que originou portanto o sobrenome Foch. É importante ressaltar que no início era apenas um apelido, já que não possuía registro. Atualmente o sobrenome está legalmente incorporado ao nome dos membros mais recentes da família.
Alguns Kersul trabalhavam no ramo industrial. A família foi uma das primeiras a fabricar macarrão na cidade. Construtor licenciado, Pedro José Narciso foi dono da primeira loja de materiais para construção da cidade. O Loteamento Foch (atualmente Bairro Foch) trouxe o desenvolvimento de uma grande área de Pouso Alegre.
No dia 19 de outubro de 1977, a família Kersul, representada pelo Grupo Foch, presenteou a cidade com o primeiro edifício misto, ou seja, residencial e comercial com elevador, localizado à praça Senador José Bento, o conhecido Edifício Foch.
Em 1919, Pedro Narciso fundou em Pouso Alegre a Irmãos Narciso Ltda, firma especializada na venda de material de construção, que posteriormente passa a ser administrada por José Kersul Narciso, mais conhecido como Foch, que alterou a razão social para Casa de Materiais de Construção Narciso Ltda. O Grupo Foch nasceu em 1952, quando Foch associa-se a seu filho Sebastião Foch. Três empresas fazem parte desse grupo: Casa Foch, Imobiliária Foch e Incomtrans, além de ser acionista em outras empresas.
Algumas realizações da Imobiliária Foch foram a fundação do Cidade Foch - bairro situado a um quilômetro do centro de Pouso Alegre, em área plana, sobre um aterro de aproximadamente 15.000m". Engloba mais de 220 casas tipo médio, construídas pela imobiliária e vendidas pelo sistema de financiamento a longo prazo. Outro empreendimento, este no centro da cidade, foi a construção do Edifício Foch, com 7 andares, 30 lojas comerciais e 20 apartamentos. De grande importância para o desenvolvimento e modernização arquitetônica da região, o Edifício Foch contribuiu também para a centralização do comércio pouso-alegrense, o que representou algo de positivo na urbanização da cidade.
O Grupo Foch já instalou nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro mais de 200 Estações de Tratamento de Água (ETA) e construiu em torno de 3 mil residências, pontos comerciais e industriais. Em parceria com várias empresas mineiras, está iniciando obras no exterior, na área de construção civil, saneamento básico e alimentação, cujos esforços foram concretizados com um convênio de representação com empresários do Peru.
A família Kersul teve significativa importância no que diz respeito ao desenvolvimento de Pouso Alegre, inovando técnicas, abrindo caminhos para que a cidade buscasse a modernização. A maior prova desse fato foi o Loteamento Foch, planejado de forma moderna, com ruas largas que mais tarde transformou-se no Bairro Foch e atualmente vem expandindo, originando o Bairro Foch 2.

"UMA VISPORA ITALIANA"*

Quando chegaram os italianos, eles inicialmente se assentaram na Faisqueira. Depois, foram se espalhando pelos quatro cantos da cidade.
Em 1950, na antiga rua do Brejo (hoje rua João Basílio), já residia uma parcela considerável de italianos. Ali ao lado da casa de D. Caridade Ferracioli Cinquetti, havia uma casinha velha de aluguel, onde trabalhavam lavadeiras e outras pessoas pobres. À tardinha, logo após saída deles, um grupo de italianos se reunia, para, toda noite, realizar o famoso "Bingo de D. Caridade".
De 1947 a 1952, todas as noites lá estavam: José Cinquetti, Nelo Casalechi, Nair Carletti, Edmar e Biannor Chiarato, Carlos Rigotti, Walter Tíbúrcio, Douglas Tlbúrcio, Justo Chiarato, Dante e Elízio Cinquetti e outros da proveitosa colônia, além dos brasileiros Joaquim Marreco e o alfaiate Zé Requinho.
Nessas animadas reuniões de lazer e entrelaçamento social, cada pedra da víspora era anunciada com um nome peculiar. Quando saía o nº 1, o cantador gritava: "General Bengala", nº 3 "Orelha de gente"; 4, "Chapéu do Cônego Aurélio"; 7, "O pito do Osório", lembrando um tradicional operário da cidade que capinava a horta com o pito na boca e não o tirava para nada. 11, "As pernas do Décio Aragoni"; 24, "Se me vira eu sou"; 55, "A berruga do Tenente Dias,"; 79, "A idade de Nair Carletti"; 89 "A idade de Arthur Carletti"; 77, "O machado do Briúna"; 28, "Casimiro Luiz de Abreu; 19, "São José"; 21, "Tiradentes"; 30, "Trincou, mas não rachou": e muitas outras, completando todas as 90 pedras desta víspora que marcou época na antiga e bucólica rua do Brejo de tantas tradições.
E tudo sob a atenção, o carinhoo e a hospitalidade de D.Caridade Ferracioli Cinquetti, uma saudosa e humanitária italiana que escolheu Pouso Alegre para viver, ao lado de seu esposo, gerando uma numerosa prole de excelentes filhos pouso-alegrenses.

societamutuosoccorsostelladitalia.jpg

Societa Mutuo Soccorso Stella d`Italia - Poços de Caldas